Creio que, com o tempo, merecemos que não haja governos [Borges]

CARLOS ALBERTO MACHADO EM MAPUTO

Hamlet & Ofelia - edição Escola Portuguesa de Moçambique, 2008

A obra do escritor português Carlos Alberto Machado  (Lisboa, 1954) será apresentada por António Cabrita, poeta e professor, sexta-feira, dia 10 de Setembro, na AEMO, em Maputo, pelas 18 horas. Na mesma sessão, o autor fica disponível para uma conversa aberta sobre escrita de teatro no mundo contemporâneo.

Carlos Alberto Machado encontra-se desde meados de Agosto em Moçambique como Bolseiro do Centro Nacional de Cultura, de Portugal, para o trabalho inicial de escrita de um romance provisoriamente intitulado Mal Nascido, que cruzará histórias de famílias moçambicanas e portuguesas desde finais do século XIX até aos nossos dias.

Este autor português publicou no início deste ano de 2010 a sua obra poética reunida, com o título Registo Civil, pela prestigiada chancela portuguesa Assírio & Alvim.

“Registo Civil reúne a obra poética de Carlos Alberto Machado. Mais conhecido como dramaturgo, foi a partir do ano 2000 que se revelou como um dos mais inovadores e surpreendentes poetas portugueses surgidos no século XXI, agora com a sua obra poética completa publicada na Assírio & Alvim, para gáudio dos seus leitores.” (Assírio & Alvim).

Registo Civil é o sexto livro de poesia do autor e o segundo na Assírio & Alvim (depois de Talismã, 2004). Nesta reunião estão os livros antes publicados – Mundo de Aventuras (Atægina, 2000), Ventilador (Elefante Editores, 2000), Mito, seguido de Palavras Gravadas na Calçada (& etc, 2001), A Realidade Inclinada (Averno, 2003) e o referido Talismã (Assírio & Alvim, 2004) – e inéditos ou publicados em revistas – Na Casa de Passar as Tardes, Uma Pedra sobre o Assunto, O Amor. Estudos para uma Queda e Por isso Voltarei.

Carlos Alberto Machado é igualmente autor de ensaios e contributos para a história do teatro em Portugal e de textos dramáticos. No domínio do ensaio e história publicou: Teatro da Cornucópia. As Regras do Jogo (frenesi, 1999), Centro Dramático de Évora. 25 Anos em Cena. CCE/CENDREV 1975-2000 (Centro Dramático de Évora, 2000), José Manuel Castanheira. Scénographies 1973-1993 e José Manuel Castanheira. Une Ruine en Construction (Centre Georges Pompidou/Nobilis, 1993).

No campo da escrita dramática publicou 5 Cervejas para o Virgílio (& etc, 2009 ), Hamlet & Ofélia (Maputo, Escola Portuguesa de Moçambique-Centro de Ensino da Língua Portuguesa, 2008), Aventuras Extraordinárias do Príncipe e do Castor, em colaboração (Cadernos CITAC, IV, Jan-2004), Aquitanta (ed. autor, 2003), Restos. Interiores (ed. autor, 2002), Os Nomes que Faltam (Cadernos Dramat, Nº 6, Teatro Nacional S. João/Cotovia, 2001), Transportes & Mudanças. Três Peças em um Acto (frenesi, 2000); tem no prelo A Morte do Soldado, Menção Honrosa do Prémio Nacional de Teatro Bernardo Santareno, (Instituto Bernardo Santareno); Hoje Não Há Música (Maputo, Escola Portuguesa de Moçambique-Centro de Ensino da Língua Portuguesa); O Universo & Outras Ficções (contos, Menção Honrosa do Prémio Edmundo Bettencourt); Antologia Poética, organização de Luís Maffei e prefácio de Maurício de Vasconcelos, Rio de Janeiro, Editora Oficina Raquel – apresentação pública em Novembro de 2010);

Acaba de ser publicado em português, castelhano e francês o seu livro de poesia Por Isso Voltarei, pelo Projecto Horizontes Insulares (Canárias, Espanha).

Registo Civil. Poesia Reunida, edição Assírio & Alvim, 2010

Os comentários estão fechados.